Santo Augusto Urgente! Anuncie onde seu cliente também vê!   I    Pai e filho são baleados em frente a um bar de Pejuçara   I    Delegado Dr. Gustavo Fleury alerta sobre nova modalidade de golpe do PIX que acumula vítimas na Região   I    Acidente envolvendo colheitadeira em Coronel Bicaco   I    Agricultor sofre descarga elétrica enquanto colhia soja em Bozano   I    Preso em Teutônia suspeito pela morte de menina de 13 anos em Bom Princípio, diz polícia
14 de agosto de 2018

Polícia Civil lança operação para apurar superfaturamento em contrato no Daer

A Polícia Civil cumpre 15 mandados de busca e apreensão contra pessoas físicas e jurídicas na manhã desta terça-feira (14), na Operação Abecedário, em ofensiva que investiga irregularidades e prejuízo ao erário na contratação de um empresa terceirizada pelo Departamento Autônomo de Estadas de Rodagem (Daer) entre junho e dezembro de 2016.

Entre os delitos apurados, estão crimes licitatórios e contra a administração pública, superfaturamento, associação criminosa e possível lavagem de dinheiro. O caso foi revelado em reportagem do Grupo de Investigação da RBS (GDI) em julho de 2017.
As buscas estão sendo feitas em Porto Alegre, Cachoeirinha, São Leopoldo, Passo Fundo e Rio de Janeiro. Entre os alvos dos mandados, constam empresários do setor de tecnologia, como Michel Costa, que teve passagem pela prefeitura de Porto Alegre em 2017, o ex-diretor-geral do Daer Ricardo Moreira Nuñez e o ex-diretor de Administração e Finanças do Daer Saul Sastre, indicado pelo PSB para ocupar o cargo no governo de José Ivo Sartori. A investigação é liderada pelos delegados Max Otto Ritter e André Lobo Anicet, da Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes contra a Administração Pública e Ordem Tributária (Deat).

Além do departamento de estradas, é pivô da história a empresa OWL Gestão e Tecnologia — depois ela trocou de nome para Disruptcode e LAB308. Sastre alegou “urgência ou calamidade pública” para fazer a contratação de uma terceirizada para assumir o protocolo da autarquia mediante procedimento de carta-convite, um meio licitatório simplificado em que o contratante envia pedidos de orçamento a cinco empresas de sua escolha.

Todas as que receberam os convites da autarquia tinham sócios em comum, conforme foi revelado pelo GDI a partir dos contratos sociais arquivados na Junta Comercial. A OWL foi declarada vencedora por ter apresentado o menor preço para assumir o setor de protocolo do Daer, que antes da terceirização tinha equipe própria para o serviço. Foram R$ 616,8 mil por um contrato de seis meses.

No segundo semestre de 2016, a Contadoria e Auditoria-Geral do Estado (Cage) registrou em relatório oficial que a contratação da terceirizada teve sobrepreço de R$ 422 mil. Condutor do processo, Sastre teria usado de forma inadequada o argumento de “urgência ou calamidade pública” para acelerar a contratação, avaliou a Cage. O papel de Nuñez, então diretor-geral, foi ao menos o ato de assinatura do acordo com a OWL.

Após o término dos seis meses de contrato, a terceirizada deixou o protocolo do Daer e a equipe própria da autarquia voltou a atender no setor. A Cage recomendou que fosse exigida a devolução dos valores pagos em excesso à OWL, mas isso não ocorreu. Após a publicação das reportagens do GDI, o governo estadual determinou a abertura de uma sindicância, que responsabilizou duas pessoas pela contratação e emitiu 12 recomendações. Após a finalização do relatório desta comissão, Sastre pediu demissão do Daer, em 22 de setembro de 2017. Nuñez já havia deixado o cargo anteriormente, por outras razões.

A operação da Polícia Civil foi batizada de Abecedário pela característica dos nomes das empresas de sócios em comum que foram convidadas para enviar orçamento ao Daer: em maioria, as nomenclaturas eram formadas por siglas que exploravam várias letras do alfabeto, como a OWL.

Detalhe

O setor de protocolo do Daer, cuja terceirização está sob suspeita, fica no térreo do prédio da autarquia, na Avenida Borges de Medeiros, em Porto Alegre. É o local onde são encaminhados processos, documentos e requerimentos, além do recolhimento de taxas.

Ex-diretor do governo Marchezan entre os alvos

Um dos alvos da Operação Abecedário, da Polícia Civil, é Michel Costa. Ele era integrante do grupo de sócios em comum que ganhou o contrato para o serviço de protocolo do Daer. Costa ingressou como sócio da OWL em junho de 2016, quando a empresa passou a atuar na autarquia estadual como terceirizada.
No segundo semestre daquele ano, enquanto recebia valores supostamente superfaturados do Estado, segundo a Cage, a OWL de Costa, já sob o nome de Disruptcode, foi contratada, ao custo de R$ 38 mil, para prestar serviços de redes sociais na campanha do então candidato à prefeitura de Porto Alegre, Nelson Marchezan (PSDB). Depois, a mesma OWL/Disruptcode desenvolveu e registrou o Banco de Talentos, plataforma em que interessados em trabalhar na prefeitura registram currículos e são selecionados para entrevistas. A ferramenta, valorizada pelo prefeito como um dos feitos da sua gestão, foi entregue ao município sem custos.

Com a aproximação, Marchezan escolheu Costa, especialista em soluções tecnológicas de mobilidade urbana e meios de pagamento, para ser diretor-técnico da Procempa. Até então empresário de sucesso no ramo, ele passou ao setor público tendo a missão de modernizar o transporte público de Porto Alegre. A ideia era instalar monitoramento dos coletivos via GPS — que informaria, por exemplo, o tempo que faltava para um veículo chegar a determinado ponto de embarque de passageiros — e dispositivos como reconhecimento facial e câmeras de segurança.

Costa iniciou o processo pelo monitoramento de GPS. Ele também foi nomeado presidente do Conselho de Administração da Carris. No período de testes da tecnologia, etapa que antecederia a licitação, uma das empresas de Costa à época, a Safeconecta, era a única a realizar os experimentos com GPS na frota da Carris — o que poderia lhe render alguma vantagem competitiva para assinar o contrato no futuro. Reportagem do GDI revelou o possível conflito de interesses em 14 de julho de 2017. Costa ainda se manteve no cargo por 26 dias, mas não resistiu após a notícia de que outra das suas empresas, a OWL/Disruptcode, estava sob suspeita de ter recebido R$ 422 mil em superfaturamento do Daer. Ele pediu demissão ao prefeito Marchezan no dia 9 de agosto de 2017, deixando as funções na Procempa e na Carris.

A Operação Abecedário, da Polícia Civil, cumpre mandado de busca e apreensão nesta terça-feira (14) na sede da Safeconecta, no Rio de Janeiro. O objetivo é apurar o eventual envolvimento da empresa com a licitação via cartas-convite que culminou na assinatura de contrato prejudicial ao Daer. A atuação na prefeitura não é o foco da investigação.

Fonte: GaúchaZH
Santo Augusto Urgente

Notícias Relacionadas

  • Casados há 52 anos, idosos de SC mo...

    11 de abril de 2021
  • Pai e filho são baleados em frente ...

    11 de abril de 2021
  • Delegado Dr. Gustavo Fleury alerta ...

    11 de abril de 2021
  • Preso em Teutônia suspeito pela mor...

    10 de abril de 2021

PUBLICIDADES



NOTÍCIAS NO SEU E-MAIL

Cadastre-se para receber.

    Entre em contato conosco



      (55) 9 84034561 / (55) 9 96195305 Santo Augusto/RS / CEP: 98590-00
      Copyright 2017 ® Santo Augusto Urgente - Todos os direitos reservados